Ibadismo

O Ibadismo é uma das mais antigas seitas islâmicas. Foi criada apenas vinte anos após a morte do Profeta Muhammad. Seus seguidores se esforçam para seguir o Islã exatamente da forma que Maomé ensinou e viveu. Hoje, o Ibadismo tem seguidores em Omã, e algumas partes de Zanzibar, Líbia, Tunísia e Argélia.

Ibadismo

Ibadismo

O Surgimento da Ibadismo

Diferentes pontos de vista começaram a tomar lugar na comunidade muçulmana após a morte do Profeta. Estes pontos de vista diferentes eram, principalmente, sobre interpretações subjetivas sobre o que o Profeta disse e do que diz o alcorão. A respeito de como o Profeta seguiu os comandos de Allah e diferentes histórias de sua vida.

Com isso, a comunidade muçulmana começou a rachar-se em diferentes seitas. Otman, o terceiro califa criou políticas que causaram ainda mais desavenças entre o povo. Diferentes partes começaram a emergir neste momento, com diferentes opiniões em relação a essas políticas, e as comunidades muçulmanas começaram a se ramificar e moldar-se de acordo com suas crenças. Isso causou muitas guerras e sofrimento para os islâmicos. O primeiro ibadista saiu da cidade de Baçorá, no Iraque, e partiu rumo a Omã.

O Ibadismo surgiu como resultado dessas lutas, por uma necessidade de voltar para a pureza da fé islâmica e da sociedade, exatamente nas linhas estabelecidas pelo Profeta Mohammad. Seus seguidores são conhecidos por desconsiderar a lógica e a razão contra um caminho tradicional que era seguido pelo Profeta. Eles se opuseram ao terceiro califa porque consideravam suas políticas contra a Sunnah e, portanto, não-islâmico. Os ibadistas sempre mantiveram sua lealdade firme pelo Alcorão, a Sunnah, e seus irmãos muçulmanos.

A comunidade muçulmana testemunhou longas e sangrentas guerras civis, como resultado dessas opiniões divergentes. A Dinastia Umayyad se estabeleceu e não tolerava qualquer tipo de oposição. Isso é o que levou os grupos de Ibadismo a realizar suas atividades em segredo desde o início.

A Relação do Ibadismo Com os Muçulmanos em Geral

Durante muito tempo, os muçulmanos comuns se recusaram a considerar o Ibadismo como uma escola do Islã. Foi com os esforços de S Sulayman al-Baruni, no início do século XX que a interação entre Ibadistas e outros estudiosos de comunidades islâmicas aumentou. Suas atividades políticas, como lealdade ao Império Otomano e trabalhar para a causa muçulmana, firmaram a lealdade de Ibadistas com a toda a comunidade muçulmana.

A criação de um melhor diálogo causou a compreensão entre os muçulmanos de que o Ibadismo era apenas uma escola diferente dentro do Islã, mas que, assim como eles, era leal a Deus e aos ensinamentos de Maomé. Estes esforços foram um longo caminho para o reconhecimento do Ibadismo como uma escola do Islã.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Religiões

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.