Xangô do Nordeste

A religião afro-brasileira Xangô do Nordeste também pode ser conhecida como Xangô de Pernambuco, Xangô do Recife e Nagô Egba. Atualmente, na região entre a Paraíba e a Bahia existe uma influência muito mais destacada dos Yorubas (Nagôs) – grupo étnico africano composto por mais de 30 milhões de pessoas – do que do Daomé – referência ao estado africano que atualmente é o Benim.

Dualidade de Nomenclatura

Essa religião é conhecida tanto como Xangô como Candomblé, ambos nomes atribuídos pelos brancos. No caso Xangô foi devido a sua importância e popularidade e Candomblé como uma referência a dança realizada pelos povos negros. O nome Xangô é mais utilizado nos estados de Pernambuco, Paraíba, Sergipe e Alagoas. Na Bahia o nome mais utilizado é Candomblé.

Quem é Xangô?

Para quem não é familiarizado com as religiões afro-brasileiras é importante esclarecer que Xangô é um orixá. Acredita-se que Xangô seja o orixá mais cultuado no Brasil e que isso se deva ao fato de que muitos negros que foram trazidos na África como escravos eram filhos de Xangô. O nome Xangô significa algo como ‘Senhor do Raio’ ou ‘Senhor das Almas’.

Uma curiosidade é que na África quem tem a casa atingida por raio paga uma elevada multa, pois acredita-se que essa pessoa está em falta e por isso despertou a fúria do deus iorubano. Depois disso os sacerdotes vão até essa casa e procuram pelas pedras do raio que concentram o axé de Xangô.

O Conceito de Pureza Nagô

A observação de diferentes terreiros de influência nagô – do Xangô, Candomblé, Tambor de Mina, Batuque entre outros – gerou o conceito de pureza nagô. Tanto pesquisadores acadêmicos quanto pais-de-santo identificaram que os terreiros que seguiam de maneira mais próxima as convenções da África eram os da Bahia.

Sendo assim se convencionou usar os moldes dos terreiros da Bahia como exemplo do que queria a ‘pureza Nagô’. Contudo, ao longo do tempo autoridades acadêmicas da área ressaltaram que isso pode mudar fazendo com que os terreiros baianos deixem sua hegemonia uma vez que os seus indicadores de autenticidade podem deixar de ser considerados importantes.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Religiões

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.